PESQUISA PIONEIRA: A ATMOSFERA AMAZÔNICA EM ÉPOCA DE QUEIMADAS

Em 11 de setembro de 2017 por Torba Azenha em Destaque, Highlights, Pesquisa

Torba Azenha

Pela primeira vez um estudo, conduzido por renomados pesquisadores brasileiros, analisou os efeitos das queimadas amazônicas sobre as células do pulmão humano.

Publicado pela Scientific Reports, a pesquisa se concentrou no reteno, um composto químico pertencente à classe dos hidrocarbonetos. E traz dados preocupantes: as células pulmonares sofrem severos danos em seu DNA e após 72 horas de exposição, mais de 30% das células em cultura já estão mortas.
“Não encontramos na literatura científica informações sobre a toxicidade do reteno. Espero que nossos achados sirvam como incentivo para que esse composto seja melhor estudado e para que suas concentrações ambientais passem a ser reguladas pelas organizações de saúde”, disse Nilmara de Oliveira Alves Brito, primeira autora do artigo e bolsista de pós-doutorado da FAPESP.
A pesquisa foi conduzida sob a supervisão do professor Carlos Menck, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP), e Silvia Regina Batistuzzo, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Contou com a participação de Paulo Saldiva, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), e de Paulo Artaxo, do Instituto de Física (IF-USP), além de pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Washington University em Saint Louis, nos Estados Unidos.